Todos os anos nos lembramos do Holocausto, o genocídio cometido pelos nazistas e seus adeptos, que ceifou a vida de milhões de judeus durante a Segunda Guerra Mundial. O Dia Internacional da Lembrança do Holocausto é um marco mundial em respeito às vítimas do Holocausto. E foi designado o dia 27 de janeiro, pela resolução 60/7 da Assembleia Geral das Nações Unidas em 1 de dezembro de 2005, durante a 42ª sessão plenária desta organização.

A data surgiu depois da sessão especial que aconteceu no dia 24 de janeiro de 2005, onde a Assembleia Geral marcou o 60º aniversário da libertação dos campos de concentração e do fim do Holocausto. O dia 27 de janeiro é a data da liberação do maior campo de extermínio nazista, Auschwitz-Birkenau, pelas tropas soviéticas, no ano de 1945.

Já houve outros dias nacionais de comemoração antes da resolução 60/7, como o “Dia da Lembrança das Vítimas do Nacional-Socialismo”, na Alemanha, criado por meio de um decreto do presidente Roman Herzog no dia 3 de janeiro de 1996 e o “Dia do Holocausto no Reino Unido”, observado desde 2001 em 27 de janeiro. O Dia da Lembrança do Holocausto também é uma data nacional de comemoração na Itália.

Crianças, as vítimas indefesas

O pastor Joel Engel relembrou o massacre hediondo. “O ato mais cruel na história da humanidade foi o extermínio de crianças entre as milhares de vítimas do Holocausto. Mais de um milhão de crianças judias foram mortas, uma geração inteira assassinada sob o comando de Adolf Hitler”, escreveu em sua coluna do Portal Guiame.

“O assassinato de um milhão e meio de crianças é impossível de compreender e ser aceito. E mesmo assim os líderes nazistas decretaram que, juntamente com todos os judeus adultos, as crianças judias também deveriam ser exterminadas”, lembrou o líder cristão. “Para assassinar crianças, os nazistas tiveram primeiro de destruir aquele senso de compaixão, o que fizeram. Nos primeiros anos, as crianças recebiam injeções letais. Mais tarde, morriam de inanição ou à bala, baioneta ou estranguladas”, explicou.

"O assassinato de um milhão e meio de crianças é impossível de compreender e ser aceito", disse o pastor Joel Engel. (Foto: Reprodução).
“O assassinato de um milhão e meio de crianças é impossível de compreender e ser aceito”, disse o pastor Joel Engel. (Foto: Reprodução).

Na cultura

O massacre nazista contra os judeus já foi retratado em diversos filmes, como “O Pianista”, “A Lista de Schindler” e “A Vida é Bela”, por exemplo. Sem dúvidas é um dos fatos mais tristes da história do mundo. O povo judeu vem sobrevivendo a duras investidas, como também foi o caso dos constantes ataques de Roma.

Confira o vídeo publicado pela Federação Israelita de São Paulo:

COMENTE PELO FACEBOOK