Na tarde do último sábado (21), evangelistas de rua foram atacados com gritos e cusparadas, enquanto tentavam pregar o evangelho em a ‘Marcha das Mulheres’ (manifestação feminista), organizada por grupos chamados “pró-escolha”, como rede de clínicas de aborto ‘Planned Parenthood’, em Washington (EUA).

Enquanto centenas de milhares de americanos participavam de uma passeata para defender os “direitos das mulheres” (com foco no aborto) e protestarem contra o novo presidente empossado, Donald Trump, vários grupos de cristãos também tomaram as ruas para alertar sobre o que a Bíblia tem a dizer sobre questões como o aborto e a homossexualidade.

Ao longo da Avenida Pensilvânia, um grupo de mais de 10 pregadores de rua de vários estados se dividiu em dois blocos diferentes – cada um com um megafone e placas, chamando as pessoas a se arrependerem de seus pecados. Mas alguns não aceitaram o que os pregadores de rua estavam falando.

Kerrigan Skelly, um evangelista de Kentucky, disse ao ‘Christian Post’ que pessoas cuspiram nele enquanto pregava sobre o arrependimento no megafone. Skelly e outras testemunhas disseram ao site cristão norte-americano que a pessoa que cuspiu nele era uma lésbica que participava da manifestação organizada pelos grupos pró-aborto.

“Eu não me lembro exatamente o que ela disse, mas ela cuspiu no rosto dele”, disse Joseph Neigh, um veterano do Exército e evangelista que mora em Washington e também acompanhava seus amigos cristãos. “Isso já aconteceu comigo antes. Já esperamos que isso aconteça porque essas pessoas estão vivendo de acordo com a sua própria carne. As pessoas mataram Jesus porque Ele Pregou sobre a justiça e chamou as pessoas a se arrependerem.

Joseph também contou que muitos tentaram expulsar os evangelistas do local com atos imorais e xingamentos.

“Muitas pessoas dançaram com lascívia em torno de nós, nos expulsaram, nos amaldiçoaram, mas nós não vamos responder a isso com raiva. Nós respondemos: ‘Deus te abençoe’. Não estamos aqui lançando pedras, estamos fazendo o papel de um salva-vidas”, destacou.

Skelly explicou que, embora ele estivesse pregando contra a homossexualidade na ocasião, ele não viajou até Washington apenas para pregar sobre isso, mas também sobre todo tipo de pecado.

“Eu acho que a oposição a nós é indicativa de que as pessoas odeiam a justiça e amam o pecado. Jesus disse em João 7:7 : ‘Todo o mundo me odeia porque testifico que suas obras são más”, afirmou Skelly. “Portanto, estamos aqui para levantar a justiça e aniquilar o pecado, chamando os pecadores ao arrependimento. Quando o fizermos, eles odiarão o que estmos dizendo e eles nos odiarão porque somos os mensageiros”.

Fonte: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN POST

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui