Cresce número de igrejas no Vale do Silício, área menos religiosa dos EUA

0
417
Cresce número de igrejas na área menos religiosa dos EUA

Quem passeia pelo Vale do Silício, na Califórnia, nota ultimamente algo mais do que os inúmeros edifícios de concreto que abrigam algumas das maiores empresas de tecnologia do mundo e uma infinidade de start-ups: estão ali também várias igrejas.

Eles atendem à bem-sucedida e rica população da capital mundial da tecnologia, surpreendendo uma região dos Estados Unidos que é conhecida por seu agnosticismo.

‘Desejo por algo mais’

O termo Vale do Silício foi criado nos anos 1970 e se refere à alta concentração de empresas de tecnologia em uma pujante região ao sul de San Francisco. Isso inclui cidades como Palo Alto, Mountain View, Sunnyvale e San José.

A área é uma usina financeira com um Produto Interno Bruto (PIB) compatível com o de algumas das maiores economias do mundo. San Francisco, que por si só já é u

“Muita gente vem para cá e descobre que, apesar de estar ganhando mais dinheiro do que sabe gastar ou de ser promovido para uma posição mais alta do que jamais sonhou, não há nada realmente preenchendo suas almas.”

Entre as igrejas estabelecidas em San Francisco está a Epic Church, uma igreja que abriu suas portas em 2011 e que atrai quem trabalha nas empresas do Vale do Silício, principalmente os mais jovens. Hoje há cerca de 500 membros nessa congregação.

“Temos pessoas que viraram milionárias da noite para o dia com o lançamento em bolsa do Facebook e do Twitter e gente incrivelmente bem-sucedida. Elas sentem um forte desejo por algo a mais”, diz o pastor Ben Pilgreen.

Outra igreja em crescimento é a C3 Church (Christian City Church), localizada em Palo Alto. O slogan da denominação é “Você não é religioso? Nós também não” com o objetivo de atrair quem não se considera religioso.
O pastor Adam Smallcombe é australiano e se mudou para o Vale do Silício com o objetivo de fundar a igreja “não religiosa”, criando uma comunidade. “Em vez disso, acreditamos que a comunidade vem antes de Cristo”, afirma o pastor.

Na região encontramos também templos hindu, centro Zen de Chung Tai, uma igreja presbiteriana coreana e outras comunidades religiosas. “Nos últimos 30 anos, notamos uma diversidade de crenças cada vez maior. E, apesar de não ser algo visível, há mais presença religiosa por aqui”, afirma Philip Boo Riley, professor de Estudos Religiosos na Universidade de Santa Clara.
“O Vale do Silício pode ser um mundo autocentrado onde as pessoas se perdem tentando criar a nova grande tecnologia ou a nova grande empresa”, afirma Skip Vaccarello, autor do site Finding God in Silicon Valley (Encontrando Deus no Vale do Silício, em tradução literal).m grande centro financeiro, serve como a porta de entrada da região.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui