O prazer de se encontrar no outro – só para casais

0
244

casal-a-chuva-paulo-marinhoTodo casamento tem tudo para dar errado, posto que os nubentes têm histórias diferentes, culturas diferentes, visão de mundos diferentes e por fim percepção da caminha em sentidos diametralmente opostos para cada uma dos cônjuges.

Por estas e por tantas outras razoes, que não cabea nós listá-las, um casamento começa com uma possibilidade razoável de dar errado. Embora o projeto seja perfeito, nós não somos perfeitos, temoscarências necessidades, tensões e dramas pessoais que carregamos para dentro denosso lar.

A minha percepção é que a cada dia você deseja um casamentomelhor, um casamento que o leve ao lugar que você sonhou quando ainda erasolteiro, um casamento que esteja em condições de refletir o anseio de suavida. Independente do sexo suahabilidade para viver casado é extremamente necessário, posto que ninguém vaiobter êxito neste empreendimentos a não ser que pelo menos se referencieatravés de estudos, leituras e conselhos dos que já passaram pelo vale da sombra da separação e permaneceram casados.

Nada é mais tenso do que atravessar uma cidade sem conhecero caminho, ou seja, nada mais dramático que atravessar a vida de casado sem seinformar acerca de não cruzar os limites de tensão e de perigo.

Creio, sinceramente, que você sonhou com um casamento feliz,não diria azul de bolinhas brancas, porque ai seria utopia, mas que tivessemenos problemas e mais solução, que tivesse menos brigas e mais compreensão,que houvesse menos silencio e mais dialogo, e poderíamos encher a nossa lista,sem perceber que as alterações que desejamos ver no nosso relacionamentosofram. Porém, isso depende muito mais de nós do que de nosso cônjuge, dependemais de nós do que da pessoa a quem devotamos o nosso amor, afeto e carinho.

A grande realidade é que na maioria das vezes estamosentregues aos nossos modelos pré-fabricados que trouxemos da casa de nossospais: Dramas, dificuldades, relacionamentos doentios, marcas no peito e umapenca de reações para algumas ações que consideramos, do nosso ponto de vista,inconvenientes. Diante disto fica difícil desenvolver o casamento que sesonhou, que se idealizou.

Uma parte considerável de casais vivem como aquelesaventureiros que se embranharam na mata pensando ser fácil transitar por elasem se ferir, machucar, e sem se perder. Sem um guia é fatal: provavelmente seperderá. Aí você já sabe, pelo menos de relatório o que acontece com quem não sabe andar na mata. Casamento é assim, é uma mata fechada que para não se perderé preciso atitudes corretas, obedecer ao guia, trilhar a estrada certa e sepermitir ser corrigido e ensinado sempre.

Há outro ingrediente de absoluta pertinência nesta viagem: anecessidade do outro. Na viagem na maioria das vezes não entendemos quantas malaso outro carrega, quantas malas o outro está levando e quanto estas malas sãodesnecessárias, do nosso ponto de vista, mas para o outro absolutamentenecessárias e mais objetos de uma conexão umbilical. Não se pode romper senão morre.

Penso que chegou a hora de você encontrar a trilha perdida,o lugar que há algum tempo você procura para tentar estabelecer o norte de seucasamento, para tentar estabelecer o que você sonhou, mas por causa de algumproblema fugiu de suas mãos e foi parar; ah você não sabe onde. Mas, penso quechegou o momento de encontrar os agentes que podem, com certeza dar destino aossonhos que foram deixados de lado no relacionamento porque, muito provavelmentevocês não souberam construir uma relação familiar que se pareça com o que você idealizou desde a tenra idade.

Sinceramente, espero ser instrumento para lhe ajudar adesatar os nós que se formaram desde o seu casamento, e de poder lhe ajudar adeflagrar uma espécie de descoberta do prazer de ser casado e ter alguém pra oferecer tudo o que seu peito carrega de bom. Também de entender que o que se carrega de ruim nãose pode despejar sobre o outro e sim tentar se curar e esvaziar-se de coisasque não operam a favor, muito pelo contrário, se manifestam como veneno eoperam contra a estabilidade do relacionamento.

Abraços Afetuosos

Pr. Paulo Marinho – Colunista do Ponto das Igrejas – Todas as Terças

E-mail: prpaulo.marinho @hotmail.com

Twitter @PrPauloMarinho

 

 

COMPARTILHAR
Artigo anteriorDulcelene de Jesus: A voz da alma - 2
Próximo artigoAndréa King: Deixe Deus escolher ...
O Ponto das Igrejas é um canal interativo onde o povo de Deus toma conhecimento sobre os fatos que ocorrem no Brasil e no mundo. Desta maneira, ajudamos aos irmãos que não podem ficar muito tempo na internet , ao acessar o Ponto, sair do campo da ignorância e perceber que Jesus está voltando. O Ponto, atualmente, apresenta alguns colunistas que estão sendo usados por Deus para dar ânimo aqueles soldados feridos nas batalhas da vida. Somos criados para glória Dele e usamos as palavras para testemunharem os feitos do Senhor em nossa vida.