Polyanna Spínola Dias: O jardineiro

0
545

cursos-cpt-jardineiroAqui em casa temos um pequeno jardim. Logo na entrada, tanto do lado direito, quanto do lado esquerdo temos plantações. E na frente da casa um pequeno canteiro. E Deus fala muito comigo através de acontecimentos rotineiros. É isso que quero compartilhar com vocês hoje.

Quando nos mudamos para esta casa, a terra que ainda dava alimento para as poucas plantas que restavam estava seca, velha, sem nutrientes. E meu esposo me disse de primeira: aqui farei um belo jardim. Ele ia citando o nome das plantas e eu imaginando como ficaria. Mas também existiam algumas árvores que precisavam de cuidado.

Com o passar do tempo, por onde íamos, se ele via uma planta bonita comprava ou pedia uma muda para plantarmos. Com todas as plantas em casa ele começou a “obra”. Sentado na terra mexeu nos vasos, nos xaxins, retirou a terra, jogou muitos galhos fora, pegou a terra nova e colocou nos vasos de plantas e replantou algumas; outras, ele começou o processo do zero. Na extensão total de terra ele capinou, tirou as ervas daninhas, as plantas que não valem de nada e sobem em cima das outras, chamadas de trepadeiras, e fez uma grande limpeza. Isso lhe custou um dia inteiro. Então, ele lembrou-se das árvores e foi podá-las. Só que existia uma grande árvore que estava sem a copa e plantada no meio de um dos canteiros da casa. E ele teve que cortá-la toda e por fim colocar fogo em sua raiz até eliminá-la totalmente.

Ao final, sua roupa estava tão suja que nem dava para lavar. Tinha que deixar de molho para a sujeira desgrudar da roupa. Também não dava para lavar na máquina por causa da quantidade de terra. Mas o sorriso dele fez tudo valer a pena. Ele se alegrava como alguém que já via as plantas florescendo.

Demorou meses para que algumas começassem a brotar. E ao final de um longo período lá estão elas: lindas; florescendo nosso jardim. As árvores, fortes. Mas mesmo assim, de vez em quando ele tem que ir lá e arrancar umas folhas velhas, tirar os matinhos que vão crescendo.

Existe um texto em Lucas 3:9 que diz: “E também já está posto o machado à raiz das árvores; toda a árvore, pois, que não dá bom fruto, corta-se e lança-se no fogo.” (Lucas 3 : 9)

É uma verdade muito profunda que por si só se explica. Mas eu quero me prender a ação do jardineiro em questão. As plantas e árvores estão lá no jardim: paradas, quietas. Elas sentem até a necessidade de água, ou de uma terra melhor para crescer, mas nada podem fazer para que isso acontece, elas não saem andando em busca de uma terra melhor, como um animal que sai em busca do seu alimento. Por isso, a ação do jardineiro é essencial. Ele percebe, identifica exatamente o que cada uma precisa e começa a agir.

Deus é o nosso jardineiro. Por mais que pensemos que sabemos o que precisamos e queremos, é Ele quem decide, pois a verdade é que o Todo Poderoso é o único capaz de enxergar verdadeiramente qual a nossa necessidade e qual a nossa carência.

Ele não apenas nos supre com nova terra e (aquilo que precisamos) e água (o que é essencial para vivermos), mas também sabe o que precisa ser retirado (as ervas daninhas que nos cercam e os galhos em excesso). Existem coisas, pessoas, situações que precisam ser tiradas de nós, do nosso convívio e Deus faz isso. Não entendemos muito bem e, além de nos entristecermos por algumas perdas – quando elas se referem a pessoas, e até mesmo coisas, embora o processo seja inevitável para a limpeza de nosso jardim – ela também nos machuca. Contudo, assim como nas plantas, as marcas de uma poda em nós são para crescimento, para frutificação e para ganharmos resistência.

Pesquisando sobre o assunto descobri que as podas de rejuvenescimento devem ocorrer sempre ao final do inverno, pois é quando o crescimento vegetativo é retomado. E mais interessante: a fase de lua minguante é também ideal,já que a seiva das plantas refluem para a raiz, fazendo com que a poda dos galhos e folhas desperdice menos seiva. E finalmente a poda no período da tarde permite que as plantas tenham o período noturno para cicatrizar os cortes. A seiva que é equivalente ao sangue nos animais, está sendo poupado.

Então, querido e querida, se você estava sendo podado fique tranquilo, o inverno chegou ao fim e chegou a hora de crescer. A primavera oficialmente começou neste dia 01 de setembro. Não se preocupe de você está murchinho, é só um período, o grande jardineiro está cuidando de tudo, Confie nEle. Isso é suficiente para te garantir um novo tempo. Até aqui foi inverno, houve poda e corte, dor e agonia, mas a primavera já chegou. Prepare-se para este novo tempo.

Polyanna Spínola Dias – Jornalista – Colunista do Ponto das Igrejas – Quarta-feira

E-mail: polyannaspinola@gmail.com

Twitter @PolyannaSDias